Mensagem do Coordenador

Todos sabemos estar cientificamente comprovado que as duas doenças orais mais prevalentes no mundo, cárie dentária e doença periodontal, são possíveis de evitar através de estratégias preventivas individuais e colectivas.

 

Para tal é necessário reconhecer os determinantes destas doenças e traçar estratégias de saúde pública adequadas à população que se pretende intervir para as poder tornar eficazes.

 

O conhecimento dos padrões de exposição aos determinantes por parte da população portuguesa, são ainda pouco conhecidos, sendo portanto importante investigá-los e identificá-los de forma a permitir o correto direccionamento dos parcos recursos existentes em projectos de saúde pública oral que se tornem efectivos.

 

Também o cancro oral é motivo de preocupação em saúde pública devido à sua elevada incidência e curta esperança de vida dos indivíduos afectados, levando a crer que o diagnóstico desta patologia tem vindo ser realizado muito tardiamente. Urge desenhar estratégias de promoção da prevenção da doença e estudar a eficácia do programa recentemente implementado de Identificação Precoce do Cancro Oral.

 

As alterações dos hábitos alimentares dos portugueses, para além de se reflectirem no aumento da obesidade, também fizeram emergir uma patologia dentária cuja prevalência era negligenciável anteriormente. Refiro-me à erosão dentária. Nesta patologia que pode levar à destruição precoce da estrutura dentária, estão também identificados os seus determinantes, sendo urgente estudar as particularidades dos hábitos da população portuguesa, para delinear os melhores programas preventivos.

 

Mas, saúde oral é saúde geral. Ou seja, existe uma quantidade de patologias gerais que pode manifestar-se na cavidade oral e as doenças orais podem ter repercuções importantes na manifestação de diferentes patologias.

 

Todas estas informações podem e devem ser veiculadas à população, aos profissionais de saúde, aos investigadores e aos decisores políticos, sempre com fundamentação científica.

 

O trabalho a desenvolver por este Departamento é vasto e exigente, por isso encaro-o como um desafio extremo que tem de ser abordado com espirito de equipa e de missão. Para tal é fundamental contar com uma equipa coesa e abnegada que interaja com os vários parceiros.

 

Conto com todos para nos ajudarem a atingir os objectivos a que nos propomos.

 

Paulo Melo