Raquel Duarte

Investigador Doutorado Integrado

Departamento: Epidemiologia
Grupo de Investigação: Epidemiologia das Doenças Infeciosas
 
Raquel Duarte, nasceu no Porto em 1967. Licenciada em Medicina, Assistente Graduada Sénior de Pneumologia, tem o Mestrado e Doutoramento em Saúde Pública pela Universidade do Porto.
 
É atualmente Diretora da Unidade de Gestão Integrada do Tórax e Circulação do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia, Coordenadora do Centro de Referência Nacional para a Tuberculose Multirresistente, Assessora do Diretor do Programa Nacional para a TB/VIH, para a área da tuberculose, Professora Auxiliar  da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.
 
Tem conseguido aliar a atividade clinica, a atividade de formação e de investigação, a atividade de saúde pública e a atividade de gestão de programas de saúde.
 
Para além da atividade de consultadoria a nível nacional que mantem há vários anos nas suas atividades junto da Administração Regional de Saúde do Norte assim como da Direção Geral de Saúde, tem mantido atividade fora do país:
• Em África – através de programas de colaboração com a Guiné Bissau.
• Na América Latina – através de programa de colaboração entre a Sociedade Respiratória Europeia e a Sociedade Torácica da América Latina
• Na Europa: é Secretária Geral da "Europe Region Officers. International Union Agains Tuberculosis and Lung Disease"; é membro do ‘Ad hoc Working Group on TB Advocacy" da Sociedade Respiratória Europeia; faz parte do painel científico da European Centre for Disease Prevention and Control "ECDC Ad hoc scientific panel.
 
É responsável pelo Núcleo de Investigação em Doenças Infeciosas da EPIUnit. A sua área de investigação é a tuberculose,  com cerca de 100 artigos publicados em revistas da área de interesse, indexadas e com fator de impacto, 10 prémios e múltiplas participações em mesas redondas, palestras em reuniões científicas nacionais e internacionais.
 
Sendo a tuberculose a sua principal área de interesse, tem-se dedicado ao desenvolvimento de estratégias que visem a redução da sua incidência. Sendo a mesma, uma doença multifatorial, desde cedo que percebeu que pouco se faz sozinho. Trabalha numa grande equipa que alia estruturas de saúde, organizações não governamentais, cientistas, comunidade civil."