01.01.2011 - 01.01.2016

EPICE - Effective Perinatal Intensive Care in Europe: translating knowledge into evidence based practice



Official Website
click here

Ref
HEALTH-F3-2010-259882

Financing Instituitions
European Commission - 7th Framework Programme (2007-2013)

Participating Institutions
Institut National de La Sante et de La Recherche Medicale (INSERM) - Coordinator, France • Karolinska Institutet, Sweden • Ospedale Pediatrico Bambino Gesu, Italy • University of Leicester, United Kingdom • Laziosanità - Agenzia Di Sanità Pubblica Della Regione Lazio, Italy • Philipps Universitaet Marburg, Germany • Uniwersytet Medyczny Im Karola Marcinkowskiego W Poznaniu, Poland • Stichting Katholieke Universiteit, Netherlands • België Studiecentrum Voor Perinatale Epidemiologie, Belgium • Hvidovre Hospital, Denmark • Universidade do Porto/ Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, Portugal

Summary

Os avanços na vigilância pré-natal e cuidados intensivos neonatais das últimas décadas resultaram na diminuição da morbilidade e mortalidade, com repercussão mais evidente no grupo dos recém-nascidos com prematuridade extrema. Anualmente, os nascimentos muito pré-termo (entre as 22 e as 31 semanas de idade gestacional) correspondem a 1-2% do total.

 

Estes recém-nascidos requerem cuidados especiais que devem ser criteriosamente planeados e executados no sentido de manter a estabilidade geral, apesar da insuficiente maturidade de várias funções vitais. Ainda assim, o risco de morte e de perturbações no desenvolvimento neurológico associadas a estes RN é elevado.

 

O projecto MOSAIC (Models of OrganiSing Access to Intensive Care for very preterm births in Europe), uma amostra Europeia de base populacional de recém-nascidos muito pré-termo recrutada em 2003 verificou existirem diferenças significativas entre os países da região ao nível da mortalidade e morbilidade neurológica e respiratória destas crianças. Foi possível observar disparidades em termos de organização dos cuidados prenatais e de apoio neonatal bem como na utilização de procedimentos clínicos como o recurso à cesariana ou os diferentes mecanismos de suporte respiratório. Estes resultados levantam questões relativas à forma como o melhor conhecimento médico é aplicado na prática clínica e se os recém-nascidos muito pré-termo recebem o tratamento baseado na melhor evidência científica.

 

O EPICE surge da necessidade de se obterem informações actualizadas e comparáveis de gravidezes que resultam em parto muito pré-termo, nomeadamente no que respeita às práticas clínicas, à tendência nos resultados da saúde a curto e a médio prazo e ainda à eficácia das novas tecnologias.Pretende-se investigar como e em que medida o conhecimento científico é efectivamente aplicado no acompanhamento de recém-nascidos muito pré-termo.

 

Para aceder à Newsletter nº1 do projecto EPICE, clique aqui.

 


Calendar

Weekly Publication

Association of Gestational Weight Gain With Adverse Maternal and Infant Outcomes.
JAMA
Read More