Estudo ISPUP e INESC TEC: como é que os portugueses se estão a adaptar à COVID-19?

23.03.2020

Compreender a dinâmica da adaptação dos cidadãos à pandemia de COVID-19 em Portugal é o objetivo de uma investigação lançada, hoje, pelo Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) e o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), em parceria com o jornal PÚBLICO



Designado “Diários de uma pandemia”, o estudo convida os cidadãos a responderem diariamente (Ver LINK), a um conjunto de perguntas, que ajudarão a compreender a evolução da vida dos Portugueses, ao longo da pandemia de COVID-19. 

 

No fundo, e seguindo a lógica da chamada “Ciência Cidadã” (do inglês “Citizen Science”), pede-se a colaboração dos cidadãos para a construção de conhecimento científico numa área de enorme relevo e com grande impacto na vida da comunidade. “Na Saúde Pública, não há ciência sem os cidadãos. Eles são o destinatário final do conhecimento científico e devem ser a principal fonte de informação na produção do conhecimento”, frisam os investigadores responsáveis pelo projeto.

 

A informação recolhida, com o apoio do jornal PÚBLICO, será trabalhada por investigadores do ISPUP e do INESC TEC, e os resultados vão ser divulgados em Portugal, em primeira mão, pelo Público.

 

O que é pedido aos cidadãos

 

Pede-se aos cidadãos que respondam, diariamente, a um breve conjunto de questões disponibilizadas online (o tempo de preenchimento rondará os 5-10 minutos).  As perguntas visam, medir, por exemplo, as interações sociais das pessoas e a utilização de serviços de saúde e comerciais, assim como a ocorrência de sintomas e de doença confirmada, durante o curso da epidemia de COVID-19, em Portugal.

 

Para além das respostas aos questionários, a única informação solicitada é um endereço de e-mail, para fins de registo e receção dos lembretes diários. Após o registo, cada utilizador receberá diariamente um lembrete a pedir que responda ao mesmo conjunto de perguntas, sempre sobre as 24 horas anteriores. Uma vez por semana, será solicitado que cada participante responda também a um conjunto de questões sobre o seu bem-estar no contexto da atual epidemia. 

 

A recolha de dados está planeada para os próximos 3 a 5 meses, consoante a evolução da pandemia no nosso país.

 

Participar no estudo “Diários de uma pandemia”, “é contribuir para sabermos como agir melhor, com o objetivo de diminuir o impacto negativo da epidemia em Portugal. É um contributo que se partilha com toda a sociedade e, em última análise, um gesto solidário para com aqueles que nos são mais queridos”, sublinham os investigadores.


Calendário

Publicação Semanal em destaque

Quality of life trajectories in breast cancer patients: an updated analysis 5 years after diagnosis
J Public Health (Oxf)
Ler mais