01.06.2018 - 30.11.2021

Regulação do apetite e obesidade infantil: uma abordagem para compreender as influências genéticas e comportamentais



Ref
PTDC/SAU-EPI/30334/2017 (POCI-01-0145-FEDER-030334)

Financing Instituitions
FEDER

Participating Institutions
ISPUP; University of Leeds, United Kingdom;

Summary

 

Investigador Responsável: Andreia Oliveira

 

Financiamento aprovado pelo Programa Operacional Competitividade e Internacionalização na sua componente FEDER, pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P.



Entidade Beneficiária/ProponenteInstituto de Saúde Pública da Universidade do Porto



Financiamento
Programa: P2020|COMPETE - Projetos em Todos os Domínios Científicos
Instituição Financiadora: FCT - Fundação para a Ciência e Tecnologia
Âmbito Geográfico Financeiro: Nacional
Data de Contrato de Financiamento: 2018-05-14


Data de aprovação: 2018-04-24
Data de início: 2018-06-01
Data (prevista) de conclusão: 2021-11-30

Orçamento total: 237.595,80 €

 

Resumo:

As interações gene-ambiente têm sido identificadas como potenciadoras dos atuais níveis de obesidade. A teoria da suscetibilidade comportamental propõe que a susceptibilidade genética à obesidade é parcialmente atribuível a fenótipos relacionados com o apetite. A identificação de crianças com comportamentos relacionados com o apetite de alto risco, tais como uma elevada resposta a estímulos externos à alimentação ou menor sensibilidade aos sinais internos de saciedade (enquanto ainda estão com um peso saudável) e que apresentam uma maior probabilidade de se tornarem obesos no futuro, potencia a identificação de estratégias para prevenir a obesidade infantil.

 

Este projeto visa compreender a contribuição dos comportamentos alimentares relacionados com o apetite como mediadores do ganho excessivo de peso ao longo da trajetória de vida, especificamente no contexto das interações gene-ambiente. O projeto organiza-se em três work packages (WP): WP1: evidência de base populacional; WP2: evidência experimental; WP3: disseminação de resultados.

 

A possibilidade de beneficiar de extensa informação recolhida no âmbito de coortes de nascimento prospetivas (Geração XXI e uma coorte de gémeos recém estabelecida, que proporciona as condições ideias para estimar a influência relativa dos genes e do ambiente na variação dos fenótipos) é uma vantagem deste projeto e que permitirá utilizar abordagens metodológicas robustas e longitudinais (desde a infância à adolescência precoce), o que constitui uma vantagem relativa à natureza transversal da maioria dos estudos, focados no período do início de vida. Os preditores dos comportamentos relacionados com o apetite e a importância dos fatores genéticos versus os do ambiente no peso da criança irão ser estudados. Este projeto tem também como objetivo identificar os pontos de corte para o risco de obesidade e o valor preditivo destas características relacionadas com o apetite.

 

Este projeto irá reunir e compilar evidência atual e gerada por este projeto em materiais educacionais e promover sua disseminação a pais e outros cuidadores. Esta articulação e comunicação entre a comunidade científica e a população promoverão a literacia em saúde.

O sucesso deste projeto está assegurado pela colaboração de especialistas internacionalmente reconhecidos com vasta experiência neste domínio, especificamente em metodologias relacionadas com estudos de coortes (ISPUP/U.Porto), em mecanismos biológicos relacionados com o apetite na sua vertente mais clínica, experimental (ICBAS/ U.Porto) e em comportamentos ingestivos e interações gene-ambiente (U.Leeds). Esta colaboração sinérgica trará valor acrescentado na optimização dos métodos e recursos para responder às questões científicas específicas. O projeto pretende igualmente promover a capacitação dos recursos humanos, suportando teses de pós-graduação, publicação de manuscritos e apresentação dos resultados e investigação colaborativa, através do recurso a consultores externos.

 
 

 


Calendário

Publicação Semanal em destaque

Tobacco control in Portugal: stagnating with partial indoor smoking bans.
BMJ Tobacco Control
Ler mais